Home Cultura & Lazer Queria aprender a transver o mundo

Queria aprender a transver o mundo

0
0

Faz algum tempo que minhas leituras têm se restringindo somente a poesia. Tem me acalmado o coração e a alma, apesar de haver tantas inquietações nesta maneira de escrever, que acho que a sua função natural na verdade é desacalmar.
Manoel de Barros tem sido o escolhido e após ler três livros seguidos do autor já consigo identificar seus traços, saber suas palavras, conhecer suas antíteses, criticar sua repetição e gostar de gostar da maneira como ele vê a natureza.
Para os interessados, as palavras desacostumadas que me fizeram companhia nos últimos tempos pude encontrar em “Memórias Inventadas – A Terceira Infância”, “Tratado Geral das Grandezas do Ínfimo” e “Livro sobre Nada”.
Manoel é repetitivo para mim, o que não diminuiu sua sabedoria e amor com que usa as letras. Seu trabalho é pequeno. Não vejo a pretensão de ser grande em seus versos, mas mesmo assim ele consegue ser gigante, ultrapassando qualquer fronteira estabelecida por nós.
Queria ser simples como ele. Falar de um pássaro do jeito que ele é ou comparar uma pessoa a uma árvore. Aprender a transver o mundo. “Tirar da natureza as naturalidades” ou “fazer cavalo verde” por exemplo.
Mas ainda assim se isto não me bastar, que as palavras dele me achem e me façam poeta. E se meus leitores não compreenderem este meu ímpeto de poeta fracassada, que eu seja lida pelas pedras.

Carregar Mais Artigos Relacionados
  • Se eu fosse…

    Se eu fosse um copo de vidro, passaria pela boca de várias pessoas durante a minha existên…
  • A menina do nariz escorrendo

    Todos que olhavam para ela pensavam a mesma coisa. Era algo de se espantar que naquela ida…
  • A pomba teimosa

    Ela não sabia que ao decidir ir na feira de domingo iria conhecer Júnior. Escolheu um dos …
Carregaer Mais em Cultura & Lazer

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *